Caro visitante, novo endereço do site aqui, caso esteja acessando com endereço antigo. O novo endereço do site o conteúdo é o mesmo e poderá navegar de forma completamente segura.


 


Por que o bebê se acalma quando carregado?

Por que o bebê se acalma quando carregado?

Um novo estudo do Japão confirma o que muitas mães podem saber instintivamente: pegar e carregar um bebê agitado geralmente acalma e relaxa a criança, tornando a mudança boa tanto para as mães quanto para os bebês.

Quando as mães no estudo levaram seus bebês enquanto caminhavam, as crianças ficaram visivelmente mais relaxadas e pararam de chorar e se contorcer. Os corações rapidamente batendo dos bebês também desaceleraram, evidências de que as crianças estavam se sentindo mais calmas.

"As crianças ficam calmas e relaxadas quando são carregadas pela mãe ", disse o pesquisador do estudo Dr. Kumi Kuroda, que investiga o comportamento social no RIKEN Brain Science Institute, em Saitama, no Japão. O estudo observou respostas surpreendentemente semelhantes em bebês de ratos.

Uma vez que carregar (o que significa segurar enquanto caminha) pode ajudar a impedir que uma criança chore, disse Kuroda, ela pode oferecer às mães uma maneira de acalmar irritações de curto prazo para seus filhos, como ruídos assustadores ou vacinações.

Os resultados foram publicados on-line na revista Current Biology.

Um forte efeito calmante

Para o pequeno estudo, os pesquisadores monitoraram as respostas de 12 bebês saudáveis ​​com idades entre um mês e seis meses. Os cientistas queriam descobrir a maneira mais eficaz para as mães acalmarem um bebê chorando por um período de 30 segundos - simplesmente segurando o bebê ou carregando o bebê enquanto caminhava.

Bebês jovens carregados por uma mãe que caminhava eram os mais relaxados e acalmados, em comparação com bebês cujas mães sentaram em uma cadeira e as seguraram, descobriu o estudo. Quando uma mãe se levantou e começou a andar com o filho embalado nos braços, os cientistas observaram uma mudança automática no comportamento do bebê.

Esses resultados se mantiveram mesmo após os pesquisadores levarem em conta outros fatores, como a idade e o sexo da criança, a idade da mãe e a velocidade da marcha.

Kuroda disse que ficou surpresa com a força do efeito calmante da manutenção e da caminhada materna. Ao observar experimentos em humanos e camundongos, ela ficou surpresa com a rapidez com que a frequência cardíaca diminuía e com o quanto imediatamente depois de uma mãe começar a andar. (Os ratos mãe pegam seus filhotes pelo pescoço com as bocas.)

De acordo com os pesquisadores, a caminhada materna pode ser mais eficaz em acalmar os bebês do que outros tipos de movimento rítmico, como o balanço.

Conselhos para os pais

Quando uma razão subjacente para o choro persistir, como a fome ou a dor prolongada, o bebê pode começar a chorar de novo logo após o término do ato de chorar.

É por isso que Kuroda recomendou que quando um bebê começa a chorar, um breve período de transporte pode ajudar os pais a identificar a causa das lágrimas. Ela reconheceu que carregar pode não interromper completamente o choro, mas pode impedir que os pais fiquem frustrados com um bebê chorando.

As descobertas também têm implicações para uma técnica parental em que os pais deixam os bebês chorar como forma de ajudá-los a adormecer sozinhos, disseram os pesquisadores.

"Nosso estudo sugere porque alguns bebês não respondem bem ao método parental 'choro'", disse Kuroda.

Os proponentes da técnica aconselham os pais a permitir que os bebês, depois de certa idade, chorem até dormir - sem que a mãe ou o pai os consolem - na esperança de que o bebê aprenda a se acalmar.

Mas Kuroda disse que acalmar com o parto materno, assim como chorar durante a separação, são ambos mecanismos internos para a sobrevivência infantil. Esses comportamentos foram programados por milhões de anos. "Mudar essas reações seria possível já que as crianças são flexíveis, mas isso pode levar tempo", disse ela.

Embora este estudo tenha analisado o comportamento de um bebê em resposta a sua mãe, Kuroda disse que o efeito não é específico para as mães, e qualquer cuidador principal para o bebê pode realizar o transporte. Os pesquisadores observaram os mesmos efeitos calmantes induzidos por transporte quando pais, avós e uma fêmea desconhecida com experiência de cuidar levavam bebês com menos de dois meses de idade, disse Kuroda.

Autor da matéria: Cari Nierenberg, MyHealthNewsDaily Colaborador. Fonte da matéria: Livescience.

Informação: toda a autoria da matéria pertence a Cari Nierenberg, MyHealthNewsDaily Colaborador. A matéria foi publicada no Livescience. Foi colocado no site 100% da matéria. De qualquer forma, poderá ler a matéria completa do autor Cari Nierenberg, MyHealthNewsDaily Colaborador conforme publicada no site Livescience aqui. No Livescience a matéria está em inglês, mas, você pode traduzir a página para o português. 29/03/2019.