Caro visitante, novo endereço do site aqui, caso esteja acessando com endereço antigo. O novo endereço do site o conteúdo é o mesmo e poderá navegar de forma completamente segura.


 


Jaguar come filhote morto e não se sabe porque

Jaguar come filhote morto e não se sabe porque

05 de abril de 2019.

Um filhote de jaguar recém-nascido viveu apenas dois dias antes de morrer e - para o horror de seus cuidadores na Associação Mata Ciliar aqui no Brasil - sua mãe engoliu tudo.

Por que uma mãe comeria seu filhote? É difícil dizer, porque ainda há muito a aprender sobre como as onças agem não apenas na natureza, mas também em cativeiro, disse Howard Quigley, diretor executivo do Programa Jaguar e diretor executivo de ciência conservacionista da Panthera, uma organização global de conservação de gatos selvagens não estava envolvido no caso do filhote.

"Eu tenho estudado jaguares por 25 anos na natureza, e ainda não sabemos muitas coisas", disse Quigley ao Live Science. "Nós ainda não seguimos realmente as onças em suas tocas. Não sabemos se [mães comendo seus próprios filhotes] acontecem na natureza.

Apesar de seu final horrível, o nascimento do filhote ainda é motivo de comemoração. É o primeiro filhote de onça pintada que já nasceu por meio de inseminação artificial, de acordo com um comunicado divulgado pelo Jardim Botânico e Zoológico de Cincinnati, cujos cientistas participaram do esforço. A mãe do filhote, uma jaguara selvagem (Panthera onça) chamada Bianca, foi uma das cinco onças-pintadas que foram inseminadas artificialmente em novembro de 2018.

A equipe do zoológico usou um vídeo remoto para monitorar a mãe e o filhote pela primeira vez depois que o filhote nasceu, em 16 de fevereiro. No início, Bianca "mostrou excelente cuidado e amamentação materna" e seu filhote parecia vigoroso, disse o zoológico.

Mas então, o filhote morreu. Não está claro se Bianca a matou ou se o filhote morreu de outras causas. De qualquer maneira, Bianca não perdeu tempo, imediatamente devorando sua prole.

Se o filhote morreu de outras causas, é provável que Bianca tenha visto seu corpo como alimento, o que poderia explicar por que ela o comeu, disse Quigley.

"É repugnante para nós, mas não é incomum para um predador ver esse corpo como alimento em potencial", disse ele.

Não é incomum que outros grandes felinos matem filhotes, embora geralmente não sejam deles. Os leões africanos (Panthera leo) são provavelmente os animais mais conhecidos para a prática do infanticídio. Quando novos machos assumem a liderança de um orgulho, eles frequentemente matam os descendentes não relacionados, o que faz com que as fêmeas entrem no cio e acasalem com os recém-chegados.

O infanticídio também foi documentado em pumas (Puma concolor), lince (Lynx) e jaguatirica (Leopardus pardalis), de acordo com um estudo de 2017 publicado na revista Acta Ethologica. Às vezes, se um filhote morre de outras causas, o pai vai comer. Em um caso, um leão da montanha de 3 meses viajava com sua mãe e dois outros irmãos, disse Quigley. O filhote morreu de peste e, quando os pesquisadores foram recolher seu corpo (o filhote estava usando uma coleira de rádio, então os pesquisadores sabiam onde encontrá-lo), viram que a mãe e os irmãos estavam comendo o corpo.

Para esses animais selvagens, "não é visto como o vínculo emocional que você tem com uma criança, mas mais a necessidade biológica de comida", disse Quigley.

Então, e as onças? Existem alguns casos documentados de infanticídio e até casos de adultos comendo filhotes, embora não sejam deles. Por exemplo, os pesquisadores encontraram os restos de um filhote de jaguar no conteúdo estomacal de um jaguar macho adulto caçado na Venezuela, de acordo com o estudo de 2017. Em outro exemplo, um pai onça matou seus dois filhotes machos no Brasil, testes de paternidade após a morte confirmada.

No entanto, não há casos conhecidos de uma mãe matando e comendo seu próprio filhote, disse Quigley. Existe muita variação individual entre os grandes felinos, embora alguns sejam melhores em cuidar dos jovens do que outros, disse ele.

"Há um certo aprendizado que acontece em qualquer animal, em qualquer mãe, para tentar ser uma boa mãe ", disse Quigley. "Então, como mãe de primeira viagem, quem sabe o que aconteceu?"

Autor da matéria: Laura Geggel, editor associado.
Fonte da matéria: Livescience.

Informação: toda a autoria da matéria pertence a Laura Geggel, editor associado. A matéria foi publicada no Livescience. Foi colocado no site 100% da matéria. De qualquer forma, poderá ler a matéria completa do autor Laura Geggel, editor associado conforme publicada no site Livescience aqui. No Livescience a matéria está em inglês, mas, você pode traduzir a página para o português. 05/04/2019.