Caro visitante, novo endereço do site aqui, caso esteja acessando com endereço antigo. O novo endereço do site o conteúdo é o mesmo e poderá navegar de forma completamente segura.


 


Cohosh preto: são esses os benefícios para a saúde

Cohosh preto: são esses os benefícios para a saúde

O cohosh preto (Cimicifuga racemosa) é uma planta comumente usada na medicina herbal para o alívio dos sintomas da menopausa. Um membro da família dos botões de ouro, tem uma longa história de uso no tratamento de artrite e dores musculares.

Um componente-chave do cohosh preto é o ácido fukinólico, um composto que possui propriedades semelhantes ao estrogênio. Os proponentes sugerem que isso pode ser benéfico para as mulheres, uma vez que experimentam declínios relacionados com a idade nos níveis de estrogênio, um fator-chave no desenvolvimento dos sintomas da menopausa.

O cohosh preto é às vezes apresentado como uma alternativa natural à terapia de reposição hormonal. É usado como um remédio natural para vários sintomas relacionados à menopausa, incluindo ondas de calor, sudorese noturna, distúrbios de humor e secura vaginal.

Além disso, o cohosh preto é usado às vezes para tratar irregularidades menstruais e aliviar os sintomas da síndrome pré-menstrual.

Comumente conhecido como:

■ Cohosh preto;

■ Raiz de cohosh preto.

Benefícios para a saúde

Embora o cohosh preto esteja entre os remédios naturais mais populares para os sintomas da menopausa, os estudos que testam sua eficácia produziram resultados conflitantes. Aqui está uma olhada na ciência:

Sintomas da menopausa

A pesquisa mais abrangente sobre cohosh preto e sintomas da menopausa incluem um relatório publicado no Cochrane Database of Systematic Reviews em 2012. Para este relatório, os cientistas analisaram 16 ensaios clínicos publicados anteriormente (com um total de 2.027 mulheres) que compararam os efeitos do cohosh preto aos de um placebo, terapia de reposição hormonal, trevo vermelho e outras intervenções no tratamento dos sintomas da menopausa.

Em sua análise, os autores da revisão não encontraram diferença significativa entre o cohosh preto e o placebo no alívio dos fogachos. Além do mais, a terapia de reposição hormonal parece ser mais eficaz do que o cohosh preto para o alívio de hot flash. Devido a dados insuficientes, nenhuma conclusão firme poderia ser tirada quanto à eficácia do cohosh preto no tratamento de sintomas como secura vaginal e sudorese noturna.

Como os estudos revisados ​​eram de "qualidade incerta", os autores do relatório concluíram que mais pesquisas sobre o uso do cohosh preto no tratamento de sintomas da menopausa são necessárias.

Também deve ser notado que muito poucos estudos avaliaram a eficácia do cohosh preto como um tratamento para problemas  menstruais. Ainda assim, algumas pesquisas preliminares (incluindo um estudo baseado em ratos publicado no Journal of Steroid Biochemistry e Molecular Biology) indicam que o cohosh preto pode ajudar a reduzir a dor menstrual.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais do cohosh preto incluem dor de cabeça, peso nas pernas, indigestão, pressão arterial baixa, náusea, transpiração, vômitos e ganho de peso.

Em doses excessivas, o cohosh preto pode causar convulsões, distúrbios visuais e batimentos cardíacos lentos ou irregulares. Interrompa o uso de cohosh preto e procure assistência médica se tiver sintomas como dor abdominal, urina escura e icterícia.

Contra-indicações

Se você tem alguma das seguintes condições, não leve cohosh preto:

■ Condições sensíveis a hormônios, como câncer de mama, câncer de próstata, endometriose ou miomas uterinos;

■ Uma história de coágulos sanguíneos, acidente vascular cerebral, convulsões ou doença hepática;

■ Estão tomando medicamentos para pressão alta;

■ São alérgicos a plantas da família Ranunculaceae;

■ São alérgicos à aspirina ou salicilatos, pois o cohosh preto contém pequenas quantidades de ácido salicílico;

■ Está grávida como cohosh preto pode estimular contrações uterinas.

Interações

Devido à sua possível atividade semelhante ao estrogênio, o cohosh preto pode interferir na eficácia da terapia de reposição hormonal ou nos contraceptivos orais.

Cohosh preto pode interferir com a eficácia da droga cisplatina quimioterapia.

Dosagem e preparação

Cohosh preto é vendido como cápsulas, gel caps e tinturas. Não há tolerância diária recomendada para o cohosh preto.

Em estudos sobre a eficácia da erva em sintomas da menopausa, a dose variou de 20 mg a 200 mg por dia. Empresas de suplementos vendem em doses até 540 mg.

O que procurar

A parte da planta de cohosh preto usada medicinalmente é a raiz e a maioria das preparações dela especificam que é da raiz.

Ao selecionar uma marca de suplementos, procure produtos que tenham sido certificados pelo Consumer Labs, pela US Pharmacopeial Convention ou pela NSF International.

Outras perguntas

Existem outros remédios naturais para os sintomas da menopausa que eu poderia usar?

Há algumas evidências de que terapias alternativas como a acupuntura  podem ser de algum benefício para as mulheres que estão passando pela menopausa. Estudos sugerem que a acupuntura pode ajudar a reduzir as ondas de calor e melhorar a qualidade do sono em mulheres na menopausa.

Os remédios naturais, como o trevo vermelho, a soja, a erva de São João, o creme de progesterona e o óleo de onagra também são promissores no tratamento dos sintomas relacionados à menopausa. No entanto, como no caso do cohosh preto, mais pesquisas são necessárias para determinar a eficácia desses remédios.

Cohosh preto é o mesmo que cohosh azul?

Não. O cohosh preto não deve ser confundido com o cohosh da erva azul (Caulophyllum thalictroides), cohosh branco, bugbane, Cimicifuga foetida, sheng ma ou baneberry branco. Estas espécies têm efeitos diferentes, e o cohosh azul e o cohosh branco, em particular, podem ser tóxicos. Há um relato de caso de complicações neurológicas em um bebê pós-termo após a indução do parto com uma mistura herbária de cohosh preto e cohosh azul.

Autor da matéria: Cathy Wong.
Fonte da matéria: Verywellmind.

Informação: toda a autoria da matéria pertence a Cathy Wong. A matéria foi publicada no Verywellmind e revisto medicamente por um médico certificado. Foi colocado no site 100% da matéria. De qualquer forma, poderá ler a matéria completa do autor Cathy Wong conforme publicada no site Verywellmind aqui. No Verywellmind a matéria está em inglês, mas, você pode traduzir a página para o português. 18/04/2019.