Caro visitante, novo endereço do site aqui, caso esteja acessando com endereço antigo. O novo endereço do site o conteúdo é o mesmo e poderá navegar de forma completamente segura.


Xarope de agave é melhor adoçante para diabetes?

Xarope de agave é melhor adoçante para diabetes?

Alguns defensores da saúde natural sugerem que as pessoas com diabetes podem substituir o xarope de agave por açúcar de mesa e outros adoçantes tradicionais. Para aqueles com um dente doce, a promessa de um melhor adoçante pode parecer boa demais para ser verdade.

Infelizmente, isso é exatamente o que é. Agave não é um bom adoçante alternativo para pessoas com diabetes.

O agave é um adoçante adequado?

Agave é um grupo de plantas suculentas que crescem em climas quentes.

O agave azul pode ser usado como adoçante, mas é rico em carboidratos e produz néctar que é rico em um tipo de açúcar chamado frutose.

Algumas pessoas da comunidade alternativa de saúde se voltaram para o agave como uma alternativa potencial ao açúcar de mesa e outros adoçantes. O apoio à agave deriva de ser um adoçante vegano, assim como seu índice glicêmico (IG).

Quanto maior o IG da comida, mais aumenta os níveis de glicose no sangue. Agave possui um GI mais baixo do que a maioria dos outros adoçantes, o que significa que é menos provável que cause picos de açúcar no sangue.

GI, no entanto, não é a única - ou a melhor - maneira de avaliar se um alimento é saudável para pessoas com diabetes. Um estudo de 2014 sugere que alimentos com baixo IG não podem melhorar a resposta do organismo à insulina.

Para as pessoas que já comem uma dieta saudável, o estudo também descobriu que os alimentos com baixo IG não produzem melhorias nos fatores de risco para a saúde cardiovascular, como os níveis de triglicerídeos no sangue.

Agave contém níveis mais elevados de frutose que o açúcar de mesa e a maioria dos outros adoçantes. O corpo libera menos insulina em resposta à frutose. Isso significa que o açúcar no sangue pode permanecer maior depois de comer agave do que outros açúcares.

Um estudo de ratos em 2014 sugere que o xarope de agave pode ser uma alternativa saudável ao açúcar de mesa. Os ratos que consumiram o néctar de agave tinham níveis mais baixos de glicose no sangue em comparação com os ratos que consumiam açúcar de mesa. Eles também ganharam menos peso.

No entanto, nem todas as pesquisas realizadas em camundongos se aplicam a humanos. O estudo também comparou apenas o agave ao açúcar de mesa, que já é conhecido por ser prejudicial para pessoas com diabetes. Agave pode ser marginalmente melhor que o açúcar de mesa, mas isso não o torna saudável.

Mais importante, o agave ainda é um açúcar e, como o açúcar de mesa, o xarope de milho rico em frutose e os outros açúcares, as pessoas com diabetes devem evitá-lo.

As pessoas que seguem uma dieta diabética saudável devem reduzir o uso de açúcar em vez de trocar um tipo de açúcar por outro.

Uma alternativa altamente calórica ao açúcar de mesa

Para pessoas com diabetes que são tentadas a experimentar agave em vez de açúcar de mesa, há outro motivo para evitar a troca. Agave é um adoçante de maior caloria que o açúcar de mesa. Ele contém 21 calorias por colher de chá, comparado com 16 calorias por colher de chá.

Os defensores apontam que o agave é mais doce que o açúcar de mesa, potencialmente permitindo um sabor mais doce com uma quantidade menor. No entanto, esse benefício potencial é pequeno quando comparado com suas potenciais consequências negativas para a saúde.

Outros riscos

Além de seu alto teor de frutose, o agave representa outros riscos para as pessoas com diabetes. Uma série de estudos analisou os adoçantes ricos em frutose. A frutose geralmente produz efeitos piores do que outro tipo de açúcar chamado sacarose, que é encontrado no açúcar de mesa.

A frutose é quebrada no fígado, então consumir muito pode causar danos ao fígado. As pessoas com diabetes já enfrentam um risco elevado de doença hepática, tornando o agave um adoçante de alto risco.

Em 2017, um estudo de ratos ligou a frutose a danos no fígado, incluindo doença hepática gordurosa e morte de células do fígado. O estudo também encontrou uma ligação entre o consumo de frutose e inflamação, que está ligada a uma ampla gama de doenças.

Outro estudo de 2017 também relacionou o consumo de frutose à doença hepática gordurosa. O estudo enfatiza que a doença hepática gordurosa que não está ligada ao consumo de álcool aumentou na última década.

De acordo com pesquisas de 2013, altos níveis de consumo de frutose têm sido associados a problemas metabólicos em vários estudos em animais. Isso pode levar ao ganho de peso, níveis insalubres de gordura ao redor da cintura e estresse oxidativo.

Um estudo de 2005 ligou a frutose à resistência à insulina. Os pesquisadores também descobriram que o alto consumo de frutose poderia desencadear dislipidemia, uma síndrome marcada por níveis elevados de colesterol e triglicérides. Isso sugere que a ingestão de xarope de agave, assim como o xarope de milho rico em frutose e outros adoçantes à base de frutose, podem levar a doenças cardíacas.

Um estudo de 2015 adverte que a frutose está ligada à hipertensão arterial, resistência à insulina e outros fatores de risco cardiovascular.

No entanto, o estudo adverte que o link só se aplica quando alimentos à base de frutose constituem 20% ou mais da ingestão calórica. Isso sugere que os adoçantes à base de frutose podem ser aceitáveis ​​com moderação, mas não há motivo para procurá-los ativamente.

Adoçantes alternativos para diabetes

Pessoas com diabetes devem trabalhar para evitar todos os adoçantes adicionados, bem como alimentos processados ​​ricos em açúcar.

Mudanças no estilo de vida e na dieta são formas eficazes de combater o diabetes. Apesar de desistir de açúcar pode ser difícil, oferece muitos benefícios para a saúde.

Aqueles que estão procurando um doce deleite devem escolher cuidadosamente seus adoçantes. Como os adoçantes artificiais não contêm, ou têm poucas calorias, os médicos pensavam que poderiam ser uma alternativa segura ao açúcar tradicional. Novas pesquisas prejudicam essa recomendação.

Um estudo de 2015 descobriu que os adoçantes artificiais alteram as bactérias que vivem no intestino, o que poderia desencadear a resistência à insulina.

Enquanto mel e xarope de bordo podem ser alternativas mais seguras para pessoas com diabetes, ambos ainda são açúcar no corpo.

Um estudo de 2009 ligou 8 semanas de consumo de mel a uma redução no peso e nos níveis de gordura no sangue. No entanto, os níveis de açúcar no sangue aumentaram, sugerindo que o mel só deve ser usado com moderação e certamente não como um remédio para o diabetes.

Xarope de bordo tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, o que poderia tornar os efeitos de outros adoçantes menos nocivos. Usado em pequenas doses, isso pode torná-lo uma boa alternativa aos adoçantes tradicionais.

A fruta inteira é a maneira ideal de adoçar os alimentos, uma vez que os açúcares são embalados junto com fibras, antioxidantes e outros nutrientes que podem beneficiar a saúde. Experimente frutas frescas ou secas misturadas em aveia, maçã sem açúcar em iogurte grego ou bananas congeladas misturadas com cacau em pó para substituir o sorvete.

Autor da matéria: Zawn Villines.
Avaliado por: Natalie Butler, RD, LD.
Fonte da matéria: Medical News Today.

Informação: toda a autoria da matéria pertence a Zawn Villines. A matéria foi avaliada por Natalie Butler, RD, LD e publicada no Medical News Today. Foi colocado no site 100% da matéria. De qualquer forma, poderá ler a matéria completa do autor Zawn Villines conforme publicada no site Medical News Today aqui. No Medical News Today a matéria está em inglês, mas, você pode traduzir a página para o português. 05/02/2019.