Novo endereço do site aqui, caso esteja acessando com endereço antigo.


Um novo culpado de esclerose múltipla identificado

Um novo culpado de esclerose múltipla identificado

Ainda não está claro o que causa a esclerose múltipla, mas novas pesquisas se aproximam dos mecanismos defeituosos do sistema imune envolvidos no desenvolvimento dessa condição.

A esclerose múltipla (MS), que é uma doença auto-imune, faz com que o sistema imunológico ataque erroneamente a mielina.

A mielina é a substância que reveste os axônios, que são as projeções que permitem que os neurônios se conectem e transmitam informações.

Este processo é conhecido como desmielinização e afeta o funcionamento correto do sistema nervoso central.

A condição é caracterizada por problemas com equilíbrio e coordenação, bem como com a visão, para citar apenas alguns dos seus efeitos. Nos Estados Unidos, a EM afeta 250.000 a 350.000 pessoas.

Os pesquisadores ainda não sabem ao certo o que causa a esclerose múltipla, mas pouco a pouco, eles estão descobrindo os mecanismos em jogo e revelando mais dos culpados celulares envolvidos.

Agora, o neurologista Roland Martin e a imunologista Mireia Sospedra - da Universidade de Zurique e do Hospital Universitário de Zurique, ambos na Suíça - e colegas mostraram que um tipo de célula imune chamada células B é a chave para as reações auto-imunes que caracterizam a esclerose múltipla.

Em um estudo cujos resultados são agora publicados na revista Cell, os cientistas explicam que as células B influenciam a atividade de outro tipo de célula imune, as células T, que causam inflamação.

Células B influenciam as células T

Estudos sobre a esclerose múltipla tenderão a enfocar o papel desempenhado pelas células T no desenvolvimento dessa condição, uma vez que as células T são encarregadas de desencadear uma resposta imune apropriada, uma vez que detectam a presença de patógenos.

Quando células T disfuncionam e confundem células saudáveis ​​no organismo com patógenos, isso causa lesões prejudiciais e inflamação, associadas a doenças autoimunes como a esclerose múltipla.

Martin e seus colegas, no entanto, descobriram que as células T podem ser ativadas erroneamente por outras células imunológicas especializadas: as células B.

Isso ficou claro para os pesquisadores depois que eles observaram os efeitos de certas drogas usadas para tratar a esclerose múltipla.

Martin diz: "Uma classe de drogas MS chamada Rituximab e Ocrelizumab nos levou a acreditar que as células B também desempenham um papel importante na patogênese da doença."

Essas drogas, observam os autores, interrompem a inflamação do cérebro removendo as células B, o que sugere que essas células imunes são responsáveis ​​pela atividade das células T.

Uma cadeia de reações

A fim de compreender melhor o papel desempenhado pelas células B na inflamação, os pesquisadores analisaram amostras de sangue de pessoas com esclerose múltipla através de um método experimental in vitro.

Eles notaram que as células B estavam interagindo com células T especializadas, aumentando sua atividade e influenciando-as a se dividirem mais - alimentando assim seu ciclo de ataque.

Ficou claro que as células B eram a causa da atividade das células T porque, quando eliminavam a primeira, a última deixava de proliferar.

"Isso significa que agora podemos explicar o mecanismo anteriormente pouco claro dessas drogas MS", explica Martin.

Os pesquisadores também observam que as células T ativadas que eles estudaram nas amostras de sangue incluem a população de células T que estão ativas na inflamação cerebral relacionada à esclerose múltipla.

Martin e sua equipe sugerem que as células T são capazes de ler as proteínas liberadas pelas células B e reconhecer as células nervosas do cérebro. Os cientistas dizem que as células T são ativadas primeiro no sangue periférico, apenas para migrar para o cérebro, onde acabam atacando a mielina.

"Nossas descobertas não apenas explicam como novas drogas MS entram em vigor, mas também abrem caminho para novas abordagens em pesquisa básica e terapia para a EM", diz Martin.

Autor da matéria: Maria Cohut.
Fato verificado por: Jasmin Collier. Fonte da matéria: Medical News Today.

Informação: toda a autoria da matéria pertence a Maria Cohut. A matéria foi um fato verificado por Jasmin Collier e publicada no Medical News Today. Colocamos no site 100% da matéria. De qualquer forma, poderá ler a matéria completa do autor Maria Cohut conforme publicada no site Medical News Today aqui. No Medical News Today a matéria está em inglês, mas, você pode traduzir a página para o português. 05/10/2018.