Caro visitante, novo endereço do site aqui, caso esteja acessando com endereço antigo. O novo endereço do site o conteúdo é o mesmo e poderá navegar de forma completamente segura.


Óleo de coco saudável ou insalubre?

Óleo de coco saudável ou insalubre?

O óleo de coco tem sido a raiva por algum tempo. Endossado por um número de celebridades como um superalimento, esta gordura de cheiro tropical - muitas vezes generosamente aplicada à nossa pele e couro cabeludo - é o favorito de muitos. Mas a questão permanece: é saudável ou não?

Gordura sofreu uma má reputação por um longo tempo e nos disseram para optar por opções de baixo teor de gordura em seu lugar. Mas as marés se transformaram eventualmente, nos levando a ver as gorduras sob uma nova luz.

Nossas vidas se tornaram mais simples. Aprendemos como evitar gorduras ruins (saturadas e hidrogenadas) e comer boas (insaturadas) para manter nossos tickers e artérias saudáveis.

Então o humilde coco apareceu em 2003 e as águas voltaram a ficar turvas. Visto por alguns como um superalimento, mas recentemente rotulado pela American Heart Association (AHA) como parte do conjunto de gorduras insalubres, a controvérsia continua.

Então, quais são os fatos científicos por trás do hype do óleo de coco, e quais são os últimos desenvolvimentos?

Ingrediente secreto: ácidos graxos 'de cadeia média'

Muitas das supostas alegações de saúde que cercam o óleo de coco provêm de pesquisas publicadas em 2003 por Marie-Pierre St-Onge, Ph.D. - professor de medicina nutricional na Columbia University, em Nova York, NY.

O prof. St-Onge descobriu que em mulheres com sobrepeso, o consumo de ácidos graxos de cadeia média - como os encontrados no óleo de coco - levou a um aumento no gasto de energia e oxidação de gordura em comparação com mulheres que ingeriram ácidos graxos de cadeia longa ou saturados.

Mas a professora St-Onge usou uma dieta especialmente formulada de gordura em seu estudo, não o óleo de coco, e ela nunca afirmou que o óleo de coco era o segredo dos resultados vistos em sua pesquisa.

O moinho de boatos começou a girar e o óleo de coco tornou-se amplamente saudado como um superalimento.

De fato, um estudo de 2009 envolvendo 40 mulheres mostrou que 30 mililitros de óleo de coco - consumidos diariamente por um período de 12 semanas - aumentaram os bons níveis de lipoproteína de alta densidade (HDL), acompanhados por uma redução na circunferência da cintura.

Conforme mais estudos se seguiram, a imagem ficou menos clara.

AHA e OMS aconselham limitar o consumo

Apesar do número de estudos que lançam óleo de coco em uma luz favorável, a AHA publicou uma nota sobre gorduras e doenças cardiovasculares em junho de 2017, recomendando que substituíssemos as gorduras saturadas por gorduras insaturadas mais saudáveis. Isso inclui o óleo de coco.

Como afirma a Organização Mundial de Saúde (OMS), as gorduras saturadas (por exemplo, encontradas em peixes, abacate, nozes, girassol, canola e azeite) são preferíveis às gorduras saturadas (por exemplo, encontradas na carne gordurosa, manteiga, palma e óleo de coco, creme, queijo, ghee e banha de porco). "

O motivo? Gordura saturada é ruim para nossa saúde cardiovascular. No entanto, há outra reviravolta neste fascinante conto.

Enquanto a lipoproteína de baixa densidade (LDL) é geralmente considerada como colesterol "ruim", o tipo de HDL é amplamente aceito como sendo sua contrapartida "saudável".

Ainda em 2017, cobrimos três estudos que potencialmente transformam o que sabemos sobre gorduras e colesterol em sua cabeça. O primeiro strudy encontrado que as gorduras saturadas não podem "entupir" nossas artérias afinal de contas, enquanto o segundo se descobriu uma ligação entre "bom" HDL e mortalidade.

O terceiro estudo, publicado em novembro de 2017, mostrou que altos níveis de HDL podem não nos proteger de doenças cardíacas, como se pensava anteriormente

O que é o mais recente?

Um dos problemas com a controvérsia em torno do óleo de coco é a falta de estudos humanos em grande escala e de boa qualidade. Mas adicionar ao corpo de evidências é um novo estudo da equipe da BBC "Trust me I'm a Doctor".

Juntamente com o Dr. Kay-Tee Khaw, professor de gerontologia clínica, e a Dra. Nita Gandhi Forouhi, professora de saúde e nutrição da população - ambas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido - a equipe comparou os efeitos do óleo de coco, azeite e manteiga em 94 voluntários humanos.

Cada participante do estudo foi solicitado a consumir 50 gramas de uma dessas gorduras por dia durante 4 semanas. Os resultados foram uma surpresa.

Aqueles que consumiram óleo de coco tiveram um aumento de 15% nos níveis de HDL, enquanto este número ficou apenas em 5% para o azeite, que é aceito como sendo bom para o nosso sistema cardiovascular.

Se estamos trabalhando na premissa de que o HDL é bom, então esses resultados falam a favor do óleo de coco.

É importante notar, no entanto, que os resultados deste estudo não foram revisados ​​por pares e devem ser tratados como preliminares.

Óleo de coco: o veredito

Então, o óleo de coco é saudável ou não? Como em muitas áreas de pesquisa, não há uma resposta direta.

Se você está querendo perder peso, vale a pena lembrar que o óleo de coco é muito rico em gordura saturada e uma colher de sopa contém 120 calorias.

Se é a saúde cardiovascular que você procura, a linha oficial do partido elaborada pela AHA e pela OMS ainda coloca o óleo de coco na lista de gorduras para limitar. Mas quem sabe, talvez as mesas se transformem e surjam novas diretrizes.

Entretanto, o óleo de coco pode fazer parte de uma dieta saudável e equilibrada, se consumido com moderação.

No entanto, vale a pena olhar para o óleo de coco em alimentos embalados, especialmente óleo de coco parcialmente hidrogenado. Esta é uma fonte de gorduras trans, que a Food and Drug Administration (FDA) dizem aumentar o risco de doença cardíaca.

Autor da matéria: Yella Hewings-Martin PhD.
Avaliado por: Jasmin Collier.
Fonte da matéria: Medical News Today.

Informação: toda a autoria da matéria pertence a Yella Hewings-Martin PhD. A matéria foi avaliada por Jasmin Collier e publicada no Medical News Today. Foi colocado no site 100% da matéria. De qualquer forma, poderá ler a matéria completa do autor Yella Hewings-Martin PhD conforme publicada no site Medical News Today aqui. No Medical News Today a matéria está em inglês, mas, você pode traduzir a página para o português. 01/02/2019.