Novo endereço do site aqui, caso esteja acessando com endereço antigo.


Notícia: uma injeção pode matar o câncer

Notícia: uma injeção pode matar o câncer

Cientistas que experimentaram um tratamento inovador para o câncer criaram uma injeção direcionada que já eliminou com sucesso tumores em camundongos.

Pesquisas que desenvolvem tratamentos mais eficazes para todos os tipos de câncer têm sido abundantes nos últimos anos, oferecendo novas esperanças o tempo todo.

Alguns dos experimentos mais recentes incluem o uso de nanotecnologia de última geração para caçar microtumores, engenharia de micróbios para impedir o câncer e a morte de tumores malignos famintos.

O estudo mais recente, da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, na Califórnia, investigou o potencial de outra abordagem: injetar quantidades "minúsculas" de dois agentes que estimulam a resposta imune do corpo diretamente em um tumor sólido maligno.

Até agora, seus estudos usando ratos provaram ser bem sucedidos. "Quando usamos esses dois agentes juntos", explica o autor sênior do estudo, Dr. Ronald Levy, "vemos a eliminação de tumores por todo o corpo".

Além disso, os pesquisadores têm razões para acreditar em uma trajetória mais rápida em direção a ensaios clínicos para esse método, uma vez que um dos agentes envolvidos já foi aprovado para uso em terapia humana, enquanto o outro já está em estudo clínico para tratamento de linfoma. As descobertas do estudo foram publicadas na revista Science Translational Medicine.

Aplicação única de fórmula

O Dr. Levy é especializado no uso de imunoterapia - que é um tipo de tratamento em que a resposta imune do corpo é aumentada para que possa atingir as células cancerígenas - para combater o linfoma ou o câncer do sistema linfático.

Existem vários tipos de imunoterapia, incluindo alguns que impulsionam todo o sistema imunológico do corpo e outros que são muito mais direcionados. Mas, os pesquisadores observam, todos eles vêm com ressalvas associadas.

Eles podem ter efeitos colaterais problemáticos, consumir muito tempo ou simplesmente ser muito caros. O método da equipe, no entanto, tem mais benefícios - até mesmo além de sua eficácia potencial como tratamento.

"Nossa abordagem usa uma aplicação única de quantidades muito pequenas de dois agentes para estimular as células imunes apenas dentro do próprio tumor", explica Levy. Esse método pode "ensinar" às células imunológicas como lutar contra esse tipo específico de câncer, o que lhes permite migrar e destruir todos os outros tumores existentes.

Embora o papel do sistema imunológico seja detectar e eliminar corpos estranhos nocivos, muitos tipos de células cancerígenas são capazes de evitar a detecção de formas complexas, o que lhes permite crescer e se espalhar.

Um tipo de glóbulo branco chamado células T desempenha um papel vital na regulação da resposta imune do corpo. Normalmente, as células T teriam como alvo e combater os tumores cancerígenos, mas com demasiada frequência, as células cancerígenas aprendem a "enganá-las" e a escapar à resposta imunitária.

Eficaz contra muitos tipos de câncer

No novo estudo, o Dr. Levy e sua equipe entregaram microgramas de dois agentes específicos em um local de tumor rígido em cada um dos camundongos afetados. Os agentes em questão foram:

■ Oligonucleotídeo CpG, um pequeno trecho de DNA sintético que aumenta a capacidade das células imunológicas de expressar um receptor chamado OX40, que é encontrado na superfície das células T;

■ Um anticorpo que se liga ao receptor, ativando as células T.

Uma vez que as células T são ativadas, algumas delas migram para outras partes do corpo, "caçando" e destruindo outros tumores.

É importante ressaltar que o Dr. Levy e seus colegas observam que esse método poderia ser usado para atingir vários tipos diferentes de câncer; em cada caso, as células T "aprenderão" a lidar com o tipo específico de célula cancerosa a que foram expostas.

No laboratório, os cientistas aplicaram este método pela primeira vez ao modelo de linfoma em camundongos, e 87 de 90 camundongos tornaram-se livres de câncer. Nos outros três casos, os tumores recorreram, mas desapareceram quando os pesquisadores administraram o tratamento uma segunda vez.

Resultados semelhantes foram bem sucedidos no modelo de camundongos, câncer de cólon e câncer de pele . Além disso, mesmo os ratos que foram geneticamente modificados para desenvolver câncer de mama responderam espontaneamente bem a esse método de tratamento.

Uma abordagem direcionada

No entanto, quando os cientistas transplantaram dois tipos diferentes de tumor cancerígeno - linfoma e câncer de cólon - no mesmo animal, mas apenas injetaram a fórmula experimental em um local de linfoma, os resultados foram mistos.

Todos os tumores de linfoma recuaram, mas o mesmo não aconteceu com o tumor de câncer de cólon, confirmando que as células T só aprendem a lidar com as células cancerosas que estavam em sua vizinhança imediata antes da injeção.

Como Dr. Levy continua: "Esta é uma abordagem muito direcionada. Apenas o tumor que compartilha os alvos de proteína exibidos pelo site tratado é afetado. Estamos atacando alvos específicos sem ter que identificar exatamente quais proteínas as células T estão reconhecendo."

Atualmente, a equipe está preparando um ensaio clínico para testar a eficácia desse tratamento em pessoas com linfoma de baixo grau. Dr. Levy espera que, se o ensaio clínico for bem sucedido, eles serão capazes de estender esta terapia para praticamente qualquer tipo de tumor de câncer em humanos.

"Eu não acho que haja um limite para o tipo de tumor que poderíamos potencialmente tratar, desde que ele tenha sido infiltrado pelo sistema imunológico", conclui o Dr. Levy.

Autor da matéria: Maria Cohut.
Fato verificado por: Jasmin Collier. Fonte da matéria: Medical News Today.

Informação: toda a autoria da matéria pertence a Maria Cohut. A matéria foi um fato verificado por Jasmin Collier e publicada no Medical News Today. Colocamos no site 99% da matéria. De qualquer forma, poderá ler a matéria completa do autor Maria Cohut conforme publicada no site Medical News Today aqui. No Medical News Today a matéria está em inglês, mas, você pode traduzir a página para o português. 05/10/2018.