Caro visitante, novo endereço do site aqui, caso esteja acessando com endereço antigo. O novo endereço do site o conteúdo é o mesmo e poderá navegar de forma completamente segura.


 


Cardo de leite pode ajudar desintoxicar o fígado?

Cardo de leite pode ajudar desintoxicar o fígado?

Cardo de leite (Silybum marianum) é uma erva perene que se acredita ter propriedades medicinais. As sementes contêm silimarina, um grupo de compostos que dizem ter efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios. Cardo de leite é comumente usado como um remédio caseiro para tratar problemas de fígado, muitas vezes sob a presunção de que ele irá "desintoxicar" o fígado.

No momento, não há dados científicos suficientes para dizer se o cardo de leite pode ajudar o fígado ou não. Embora não seja sem benefício, o cardo de leite não parece exercer um efeito significativo nos tecidos do fígado ou na função hepática.

Cardo de leite também é conhecido pelos nomes de cardo de Santa Maria, cardo variegado e cardo escocês. Na medicina tradicional chinesa, o cardo de leite é referido como da ji, enquanto as sementes são chamadas de shui fei ji.

Benefícios para a saúde

Embora o cardo de leite seja mais frequentemente usado para doenças do fígado, como hepatite e cirrose, acredita-se que a erva previne ou trata alto colesterol, diabetes, azia, problemas estomacais (ressecamento), ressaca, problemas na vesícula biliar, dor menstrual, depressão e até certos tipos de câncer. Poucas dessas afirmações são apoiadas por evidências concretas.

Aqui está o que algumas das pesquisas atuais dizem:

Doença hepática

Alguns estudos preliminares sugeriram que a silimarina pode melhorar a função hepática, ao impedir que substâncias tóxicas se liguem às células do fígado. No entanto, estudos sobre a eficácia do cardo de leite no tratamento de doenças do fígado produziram resultados mistos.

De acordo com uma abrangente revisão de estudos no American Journal of Gastroenterology, o cardo de leite não melhora a função hepática, nem reduz o risco de morte em pessoas com doença hepática alcoólica, hepatite B ou hepatite C.

Vários estudos menores sugeriram que o cardo de leite pode beneficiar pessoas com doença hepática leve, subaguda (sem sintomas). Um estudo preliminar da Finlândia descobriu que um curso de quatro semanas de suplementos de silimarina reduzia enzimas hepáticas importantes em pessoas com doença subaguda, sugerindo que o fígado estava funcionando normalmente.

Apesar dos achados positivos, estudos subsequentes foram incapazes de replicar os resultados ou demonstrar que o cardo de leite prescrito por conta própria produziria os mesmos efeitos.

Hepatite C crônica

Cardo de leite às vezes é usado por pessoas com hepatite C crônica (uma infecção viral caracterizada pela cicatrização progressiva do fígado). Na verdade, uma pesquisa financiada pelo National Institutes of Health relatou que 23% das 1.145 pessoas com hepatite C usavam suplementos fitoterápicos, sendo o cardo de leite, de longe, o mais comum.

De acordo com a pesquisa, as pessoas com hepatite C relataram menos sintomas e uma "qualidade de vida um pouco melhor" ao tomar cardo de leite, apesar de não terem nenhuma mudança mensurável na atividade viral ou inflamação do fígado.

Um estudo de 2012  publicado no Journal of American Medical Association (JAMA) confirmou isso. Apesar de ser bem tolerada nos participantes do estudo, a silimarina (prescrita três vezes ao dia em doses de 420 ou 700 miligramas) não teve efeito tangível nas enzimas hepáticas.

Dadas essas contradições, muitos cientistas acreditam que o cardo de leite produz um efeito placebo em que uma pessoa sente uma melhora nos sintomas, apesar de não ter nenhuma mudança em sua condição clínica.

Diabetes tipo 2

Vários estudos sugeriram que o cardo de leite pode ser benéfico para pessoas com diabetes, mais notavelmente naqueles com diabetes tipo 2.

De acordo com pesquisa de 2015 publicada na Phytomedicine, um curso de 45 dias de silimarina aumentou a capacidade antioxidante e reduziu a inflamação generalizada em adultos com diabetes tipo 2 melhor do que um placebo.

Segundo os autores do estudo, os resultados sugerem que a silimarina pode reduzir o estresse oxidativo tipicamente associado às complicações do diabetes.

Uma revisão sistemática realizada em 2016 concluiu ainda que o uso rotineiro de silimarina parece reduzir os níveis de glicose e HbA1C em jejum, embora os autores tenham advertido que a qualidade dos estudos revisados ​​era ruim.

Possíveis efeitos colaterais

Cardo de leite pode desencadear uma série de efeitos colaterais, incluindo dor de cabeça, náuseas, diarréia, inchaço abdominal e gases. Menos comumente, dores musculares, dores articulares e disfunção sexual foram relatadas.

Reações alérgicas também são possíveis. Pessoas com alergia a ervas, margaridas, alcachofras, kiwi ou plantas da família aster também podem ser alérgicas ao cardo de leite. Em raras ocasiões, o cardo de leite pode causar uma alergia em todo o corpo, potencialmente fatal, conhecida como anafilaxia.

Ligue para emergência ou procure atendimento médico se tiver dificuldade em respirar, erupção cutânea, urticária, taquicardia, tontura ou inchaço da face, língua ou pescoço após tomar cardo de leite.

Se não for tratada, a anafilaxia pode levar a choque, coma, insuficiência cardíaca ou respiratória ou morte.

Interações medicamentosas

Cardo de leite pode reduzir seu açúcar no sangue, por isso precisa ser usado com cautela, pois pode desencadear hipoglicemia (baixa de açúcar no sangue) em pessoas em medicamentos para diabetes.

Como o cardo de leite exerce um efeito moderado de estrogênio, pessoas com condições sensíveis a hormônios como endometriose, miomas uterinos ou câncer de mama, útero ou ovários devem evitar o suplemento. Cardo de leite também pode reduzir a eficácia dos contraceptivos à base de estrogênio.

Cardo de leite pode mudar a maneira que seu corpo metaboliza certas drogas no fígado, provocando interações com:

■ Antibióticos como Biaxin (claritromicina);

■ Anticoagulantes como Coumadin (varfarina);

■ Antiinflamatórios não-esteróides (AINEs) como Advil (ibuprofeno), Celebrex (celecoxibe) e Voltaren (diclofenaco);

■ Drogas estatinas como Mevacor (lovastatina) e Lescol (fluvastatina).

Outras interações são possíveis. Para evitar complicações, sempre aconselhe seu médico sobre quaisquer suplementos ou remédios à base de ervas que você está tomando.

Dosagem e preparação

Não há diretrizes direcionando o uso apropriado do cardo de leite. Suplementos de cardo de leite são comumente vendidos como em forma de cápsula, mas também estão disponíveis como comprimidos, saquinhos de chá e tinturas orais. As doses variam de 175 miligramas a 1.000 miligramas. De um modo geral, quanto maior a dose, maior o risco de efeitos colaterais.

Remédios combinados como gotas Iberogast (usadas para tratar a dispepsia) e comprimidos Barberol (formulados para diabéticos) são considerados eficazes com doses de leite de cardo de 10 miligramas e 210 miligramas, respectivamente. Doses mais altas não correspondem necessariamente a melhores resultados.

Suplementos dietéticos contendo cardo de leite são vendidos em lojas de alimentos naturais, drogarias e lojas especializadas em produtos fitoterápicos. Você também pode comprar produtos de cardo de leite online.

O que procurar

Suplementos dietéticos nos Estados Unidos não precisam passar por rigorosos testes, pesquisas e testes que as drogas farmacêuticas fazem. Por causa disso, a qualidade pode variar de um suplemento para o outro.

Para garantir qualidade e segurança, escolha produtos que tenham sido submetidos a testes e certificação por um organismo de certificação independente como a US Pharmacopeia (USP), ConsumerLab e NSF International. Como uma camada adicional de segurança, opte por marcas que tenham sido certificadas de acordo com os regulamentos do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA).

Desconfie de cardo de leite integral desidratado ou sementes de cardo de leite, ambos vulneráveis ​​à contaminação por fungos, de acordo com pesquisa publicada no International Journal of Food Microbiology.

Por outro lado, a contaminação por fungos é rara nos sacos de chá com leite, extratos, cápsulas, comprimidos e géis moles.

Outras perguntas

Você pode crescer seu próprio cardo de leite?

O cardo de leite é uma planta resistente que cresce bem em todos os ambientes, embora prefira altas temperaturas e condições de seca. O solo também precisa ser bem drenado.

Para cultivar cardo de leite, espalhe as sementes sobre o solo solto na primavera ou no outono. Sementes de cardo de leite levam apenas cerca de duas semanas para germinar. Como o cardo de leite cresce em aglomerados, espace cada grupo de sementes a cerca de 12 polegadas de distância. Cardo de leite é resistente à seca e precisa de muito pouca rega.

Quando as flores terminarem de florescer, elas deixarão para trás os cachos de sementes. Você pode colher e extrair as sementes removendo as fibras fofinhas que as cercam. Você pode então secar as sementes ao ar ou usar um desidratador caseiro (o que reduz o risco de contaminação por fungos).

Depois de seco, você pode moer as sementes em um pó com um almofariz e pilão. O tônico de cardo de leite é tipicamente feito com uma colher de sopa de sementes esmagadas em três xícaras de água quente por 20 minutos.

Não colha plantas de cardo de leite que tenham sido expostas a pesticidas ou encontradas ao longo de estradas ou locais industriais.

Autor da matéria: Cathy Wong.
Fonte da matéria: Verywellmind.

Informação: toda a autoria da matéria pertence a Cathy Wong. A matéria foi publicada no Verywellmind e revisto medicamente por um médico certificado. Foi colocado no site 100% da matéria. De qualquer forma, poderá ler a matéria completa do autor Cathy Wong conforme publicada no site Verywellmind aqui. No Verywellmind a matéria está em inglês, mas, você pode traduzir a página para o português. 26/04/2019.