Novo endereço do site aqui, caso esteja acessando com endereço antigo.


Bicarbonato de sódio é seguro para a artrite?

Bicarbonato de sódio é seguro para a artrite?

Bicarbonato de sódio tem sido usado como um remédio caseiro por gerações devido às suas propriedades antiácidas. Entretanto, seus benefícios são ainda mais profundos e novas pesquisas podem explicar por que é uma ajuda eficaz no tratamento de doenças autoimunes, como a artrite.

Bicarbonato de sódio é um componente de cozinha comumente usado como um agente de criação de bolos. O bicarbonato de sódio fez um nome para si mesmo como um remédio caseiro para várias condições. Metade de uma colher de chá de bicarbonato de sódio por exemplo, é usado para aliviar a azia ou refluxo ácido. A substância também é usada por muitas pessoas para clarear os dentes.

Em um novo estudo, cujas descobertas foram publicadas no Journal of Immunology, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Augusta, revelaram exatamente como uma solução de bicarbonato de sódio pode estimular o sistema imunológico contra doenças inflamatórias, como a artrite reumatoide.

Paul O'Connor, um fisiologista renal da Augusta University e seus colegas testaram os efeitos que o consumo de uma solução de bicarbonato de sódio teria, primeiro em ratos e depois em humanos.

Seus experimentos contam uma história complexa sobre como esse sal fornece um sinal para um tipo especial de célula chamada "células mesoteliais", dizendo-lhes que o corpo está bem e não está sob ataque, tornando desnecessário um sistema imunológico agressivo. Assim, respostas auto-imunes prejudiciais são evitadas.

Bicarbonato de sódio e células mesoteliais

Células mesoteliais alinham os órgãos internos, bem como muitas cavidades diferentes no corpo. Eles não apenas evitam que órgãos e outros tecidos internos grudem, mas também servem a outras funções, e nem todas foram estudadas em detalhes.

No novo estudo, O'Connor e equipe testaram o efeito que uma solução de bicarbonato de sódio teria primeiro em ratos, e depois em participantes humanos saudáveis, e eles notaram que isso influenciou um mecanismo intrigante.

O bicarbonato de sódio "estimula" o estômago a produzir mais ácido gástrico, o que lhe permite digerir os alimentos de maneira mais rápida e fácil. Mas, além disso, parece também dizer às células mesoteliais que revestem o baço para "relaxarem", porque não há ameaça.

Basicamente, nas palavras de O'Connor, as células mesoteliais aprendem que "é mais provável que um hambúrguer não seja uma infecção bacteriana". Assim, eles, por sua vez, não ativam o "exército" do baço de macrófagos, ou células brancas do sangue encarregadas de eliminar detritos celulares potencialmente nocivos.

"Certamente beber bicarbonato afeta o baço e achamos que é através das células mesoteliais", explica O'Connor. As células mesoteliais se comunicam com os órgãos que revestem usando pequenas projeções chamadas microvilosidades, e o meio pelo qual enviam sua mensagem é o neurotransmissor acetilcolina.

De inflamatório a anti-inflamatório

Então o que realmente acontece? Os autores do estudo observam que aqueles que beberam a solução de bicarbonato de sódio experimentaram uma mudança nos tipos de células imunológicas ativadas no baço. De fato, os macrófagos pró-inflamatórios (M1) diminuíram em número, enquanto os níveis de células antiinflamatórias (M2) aumentaram.

Os mesmos tipos de células também estão alojados no sangue e nos rins, e o bicarbonato de sódio passa a ser usado no tratamento da doença renal crônica . Essa ideia levou os autores do novo estudo a explorar os mecanismos pelos quais essa substância poderia ajudar a melhorar a função renal.

"Começamos a pensar: como o bicarbonato de sódio pode retardar a progressão da doença renal?" diz O'Connor. No início, os pesquisadores analisaram os efeitos da solução de bicarbonato de sódio em um modelo de rato com doença renal e, novamente, em ratos saudáveis, que agiram como a amostra de controle.

Foi quando os pesquisadores notaram que os níveis de células M1 nos rins caíram, enquanto os das células M2 aumentaram. Tanto os ratos com doença renal quanto os ratos saudáveis ​​apresentaram o mesmo desenvolvimento.

E foi essa mudança que sinalizou a noção de que o bicarbonato de sódio poderia influenciar a resposta inflamatória no nível celular. Quando os pesquisadores recrutaram estudantes de medicina saudáveis ​​e pediram que bebessem a solução de bicarbonato de sódio, ficou evidente que o efeito antiinflamatório dessa substância acontecia tanto no baço quanto no sangue.

Maneira segura de tratar a doença inflamatória

Uma das principais revelações dos autores foi o fato de que foram as células mesoteliais que mediam os sinais antiinflamatórios. Uma teoria existente de trabalho era a de que os sinais eram transmitidos para as células relevantes através do nervo vago, um longo nervo craniano que se comunica com o coração, pulmões e vários órgãos do abdome.

Mas experimentos revelaram que essa ideia estava incorreta. Quando os cientistas tentaram cortar esse nervo, isso não afetou o comportamento das células mesoteliais. Em vez disso, tornou-se evidente que essas células tinham uma comunicação mais direta com os órgãos que revestiam do que se pensava anteriormente.

O'Connor e sua equipe perceberam isso quando notaram que o movimento do baço afetava as células mesoteliais que o cobriam, e os sinais que modulavam a resposta inflamatória foram perdidos.

"Achamos que os sinais colinérgicos (acetilcolina) que sabemos que mediam essa resposta anti-inflamatória não vêm diretamente do nervo vago que inerva o baço, mas das células mesoteliais que formam essas conexões com o baço", explica O'Connor.

Os resultados começam a fornecer uma resposta sobre por que o bicarbonato de sódio pode ajudar com doenças auto-imunes, incluindo a artrite, e pesquisas adicionais sobre esses mecanismos podem ajudar a otimizar os resultados obtidos por meio desse composto comum. "É potencialmente uma maneira realmente segura de tratar doenças inflamatórias", conclui O'Connor.

Autor da matéria: Maria Cohut.
Fato verificado por: Jasmin Collier. Fonte da matéria: Medical News Today.

Informação: toda a autoria da matéria pertence a Maria Cohut. A matéria foi um fato verificado por Jasmin Collier e publicada no Medical News Today. Colocamos no site 98% da matéria. De qualquer forma, poderá ler a matéria completa do autor Maria Cohut conforme publicada no site Medical News Today aqui. No Medical News Today a matéria está em inglês, mas, você pode traduzir a página para o português. 05/10/2018.